BLOG WIDEX

Consequências de não tratar atempadamente a perda auditiva

10-12-2020
16-03-2021

A rapidez com que se avança para um tratamento auditivo é fundamental para os resultados obtidos. Saiba como pode tratar da sua saúde auditiva da melhor forma.


Para quem nunca sofreu de perda auditiva, pode ser fácil ter como garantidos os sons que ouve todos os dias. Há que identificar rapidamente e tratar atempadamente a perda auditiva. Quanto mais tempo esperar para procurar uma solução e corrigir a sua audição, maiores são as probabilidades de sofrer de zumbidos, menor a capacidade de socialização e maior a taxa de declínio cognitivo.

Existem muitos elementos diferentes que pesam na decisão de alguém ao comprar um aparelho auditivo: o tipo de perda auditiva, as funcionalidades, o tamanho e o preço do aparelho. Apesar dos sinais de perda auditiva, algumas pessoas optam por atrasar o processo ou encolher os ombros até chegarem a um ponto em que são forçadas a agir. Infelizmente, por vezes, a tomada de decisão chega demasiado tarde. É, por isso, fundamental avaliar quais as consequências de não tratar atempadamente a perda auditiva?

 

Maior possibilidade de sofrer de zumbidos

Quando o seu cérebro não processa o som normalmente, pode começar a inventar os seus próprios ruídos. Isto pode resultar num zumbido incómodo nos ouvidos durante todo o dia. Embora possa parecer apenas um inconveniente, isto são sinais de perda auditiva claros. Os aparelhos auditivos permitem uma dessensibilização do zumbido, permitindo obter uma melhor qualidade de vida, melhor qualidade de sono e menos stress.

 

Menor socialização

Um estudo realizado pelo National Council on Aging Seniors Research Group constatou que adultos com mais de 50 anos que sofrem de perda auditiva não tratada tinham uma maior probabilidade de sofrer de depressão, ansiedade e paranoia do que aqueles que usavam aparelhos auditivos. Além disso, devido aos sinais de perda auditiva, os que não usavam aparelhos, estavam menos dispostos a participar de atividades sociais organizadas. Segundo James Firman, doutorado em Educação e presidente e CEO do Conselho Nacional sobre o Envelhecimento, "este estudo desfaz o mito de que a perda auditiva não tratada é uma condição inofensiva". Por isso mesmo, identificar e tratar atempadamente a perda auditiva é sinónimo de maior qualidade de vida e probabilidade de recuperação.

Perda de equilíbrio

Outro estudo realizado pelo Dr. Frank Lins, da Escola de Medicina da Universidade Johns Hopkins e do Instituto Nacional de Envelhecimento, revelou que a perda auditiva também aumenta significativamente o risco de quedas nas pessoas que foram alvo do estudo. Foi constatado que mesmo uma perda auditiva moderada triplica o risco de quedas acidentais. De facto, verificou-se um aumento de 140 por cento no risco por cada dez decibéis adicionais de perda auditiva.

 

Por vezes, o tamanho reduzido dos aparelhos auditivos leva a pensar que o custo associado é demasiado elevado, mas a verdade é que um aparelho auditivo tem muito mais valor do que apenas aquele que os números mostram. A capacidade de ouvir o mundo à sua volta não tem preço.

Atue aos primeiros sinais e não deixe que o medo ou vergonha o impeça de cuidar da sua saúde auditiva.