BLOG WIDEX

Declínio cognitivo e perda auditiva: existe alguma ligação?

15-10-2018
10-10-2019

Um dos piores aspetos da perda auditiva é a sensação de isolamento. As pessoas que já não conseguem acompanhar conversas ou entender piadas podem sentir-se isoladas da família e amigos.

Atualmente, há pesquisas científicas que demonstram que o isolamento resultante de perda auditiva pode estar relacionado com o declínio cognitivo - esquecimento, diminuição da capacidade de concentração e diminuição da capacidade de resolução de problemas – até mesmo mudanças de personalidade.

 

Estudos demonstram relação entre o declínio cognitivo e a perda auditiva

Frank Lin, um otologista e epidemiologista da Universidade Johns Hopkins, em Baltimore, é especialista em perda auditiva associada à idade (ARHL).

Ele cita frequentemente dois estudos independentes dos Estados Unidos, que mostram que um desvio de 25 dB na frequência da fala é equivalente a quase 7 anos de envelhecimento cognitivo em adultos mais velhos.

Lin cita também outro estudo que indica, usando uma definição estrita de demência, que os sujeitos têm 2, 3 e 5 vezes maior risco de desenvolver demência quando existe perda auditiva leve, moderada ou severa, respetivamente.

 

A perda auditiva também pode mudar a sua personalidade

Um estudo mais recente da Universidade de Gotemburgo mostrou que indivíduos com mais de 80 anos se tornaram muito menos extrovertidos após terem sido diagnosticados com perda auditiva. Curiosamente outros sinais de envelhecimento como problemas de visão e de saúde em geral não tornaram os sujeitos do estudo menos extrovertidas – apenas a perda auditiva.

“O nosso estudo mostra que entre todas as condições de saúde, uma detioração funcional específica como a deficiência auditiva, foi a única que contribuiu para acelerar a mudança de personalidade”, diz a Dra. Anne Ingeborg Berg, da Universidade de Gotemburgo.

 

Benefícios de corrigir a perda auditiva em pacientes com problemas cognitivos

 

Embora a ligação entre o declínio cognitivo e a perda auditiva seja estudada há muito tempo, alguns médicos de Clínica Geral ainda não verificam o grau de perda auditiva quando avaliam pacientes mais velhos.

“Todos os médicos sabem que a perda auditiva pode resultar em problemas cognitivos, ainda assim não se focam nisso quando avaliam alguém com sinais de demência – o que é uma grande oportunidade de diagnóstico perdida”, diz o Dr. P. Murali Doraiswamy, professor de Psiquiatria e Medicina na Faculdade de Medicina da Duke University e co-autor do livro The Alzheimer’s Action Plan.

“Os benefícios para a cognição de corrigir a perda auditiva são duas vezes superiores aos benefícios de qualquer medicamento no mercado que estimule a atividade cognitiva. Deveria ser a primeira coisa em que nos focamos”.