BLOG WIDEX

18 formas de ajudar em familiar ou amigo com perda auditiva

02-03-2021
19-05-2021

Quem sofre de perda auditiva tem de lidar diariamente com cenários particularmente difíceis. Por exemplo, há momentos em que é possível que essa pessoa tente adivinhar o que está a ser dito ou mesmo que use pistas contextuais para recuperar partes de frases que se perderam. Por um lado, não quer que os seus interlocutores tenham de repetir novamente o que disseram, mas, por outro, os próprios sentem que não estão a ser ouvidos ou que estão a ser ignorados.

 

Por isso, se é familiar ou amigo de alguém com problemas de audição, partilhamos um conjunto de 18 dicas que o ajudarão a ser um participante atento numa conversa com o seu ente querido.

18 dicas para ser um participante atento numa conversa com alguém que sofre de perda auditiva

 

1. Fale cara a cara

A conversa cara a cara deixa bem claro com quem se está a falar. Chamar alguém a partir de outra sala pode tornar-se mais difícil de ouvir.

O mesmo acontece se estiver a olhar para baixo ou para outras direções enquanto se conversa num ambiente mais ruidoso. Para pessoas com problemas auditivos, a capacidade de usar o movimento dos lábios para adicionar contexto é muito bem-vinda.

 

2. Esteja atento aos sinais que indicam que algo se perdeu na comunicação

Se disser alguma coisa e tiver a sensação de que não foi ouvido corretamente da primeira vez, tenha a amabilidade de repetir ou de tornar a conversa mais pausada.

 

Há sinais que podem indiciar que algo se perdeu na comunicação: por norma, determinadas expressões faciais ou respostas muito prolongadas. Este tipo de sinais funcionam, muitas vezes, como mecanismos de defesa por parte da pessoa que sofre com perda auditiva. Isto porque ainda está a processar o que efetivamente ouviu.

 

Por isso, se sentir que a mensagem não está a ser passada, não se precipite. Certifique-se que ninguém perdeu uma parte da conversa em vez de ignorar. Avise se a conversa mudar de rumo ou se achar que essa pessoa pode ter perdido a mudança. É melhor um aviso amigável do que encolher os ombros ou encerrar a conversa.

 

3. Não tente comunicar de outra divisão da casa

Evite tentar iniciar uma conversa de outra divisão da casa que não aquela em que se encontra o seu familiar com perda auditiva. Para este será difícil localizar a direção do som e ou mesmo identificar que é com ele que está a conversar.

 

4. Sempre que possível, reformule o que disse

Se uma palavra ou frase específica não estiver a ser ouvida corretamente, em vez de levantar a voz ou desistir, tente reformular a declaração original. Ser convidado a repetir algo várias vezes é muito menos agradável para a pessoa que faz o pedido do que para a pessoa que está a ser solicitada. No fundo, resume-se a garantir que ambas as partes estão cientes do cenário de perda auditiva e dos desafios da perda auditiva.

 

5. Não levante a voz

Levantar a voz ou gritar distorce as palavras e também pode ser considerado um comportamento rude. Em vez disso, como referimos anteriormente, tente reformular a frase para adicionar mais contexto ou faça uma breve pausa para ter certeza de que a pessoa consegue ver o seu rosto. Tente não ficar frustrado e não levante a voz com alguém que não consegue ouvir claramente.

6. Diga o nome da pessoa com perda auditiva antes de iniciar uma conversa

Chamar a atenção de alguém antes de falar com ela é sempre importante, mais ainda para quem sofre de perda auditiva. Envolva o seu ente querido na conversa usando o seu primeiro nome.

Nunca suponha que alguém consegue ouvir tudo o que lhe diz. Assim, ao cativar a atenção dessa pessoa, chamando-a pelo nome e ao conversar cara a cara, a comunicação será facilitada.

 

7. Fale naturalmente

Falar muito devagar pode levar a que o seu ente querido sinta que está a ser tratado com condescendência, o que pode contribuir para uma interação desconfortável.

Comparativamente, falar demasiado depressa pode levar a potenciais mal-entendidos. O melhor é falar normalmente, tendo em consideração as dicas anteriores. Falar claramente é diferente de falar devagar.

 

8. Reduza o ruído de fundo

Por norma, em ambientes públicos, há ruídos de fundo a competir com o som da sua voz. Se o local onde se encontram for demasiado barulhento, sugira a mudança para outro local. Nestes casos, é ainda mais importante falar com a pessoa cara a cara.

 

9. Não fique frustrado

Apesar de todos os desafios da perda auditiva, tente manter uma atitude positiva e reconheça que algumas conversas exigem um papel de escuta mais ativo. Não fique aborrecido se lhe for pedido para repetir algo algumas vezes. Em vez disso, tente perceber como pode melhorar a comunicação (falar mais perto, por exemplo).

10. Pense em formas de comunicação não-verbais

Comunique melhor o seu ponto de vista fazendo uso, por exemplo, da comunicação não-verbal. Podemos expressar a emoção da mensagem com elementos não-verbais da conversa (expressões faciais, gestos e postura), muitas vezes até mais do que as próprias palavras. Considere meios de comunicação alternativos para ajudar a criar o contexto de uma história que está a contar.

11. Seja compreensivo

Voltamos a enfatizar a tolerância e a compreensão precisamente porque são aspetos fundamentais na comunicação com quem sofre de perda auditiva. Tenha paciência e evite ficar aborrecido se lhe for pedido para repetir o que acabou de dizer.

 

12. Não fale mais do que ouve

A perda auditiva pode ser exaustiva. Uma pessoa com perda auditiva tem de se esforçar mais para compreender o que está a dizer e ficaria surpreendido com o esforço mental envolvido.

Se uma conversa durar muito tempo, faça uma pausa. Se se aperceber que está a falar mais do que aquilo que está a ouvir, pare e deixe o seu ente querido responder ou partilhar o que pensa sobre o que está a dizer-lhe.

 

13. Considere meios de comunicação alternativos

As mensagens de texto e o correio eletrónico têm vindo a tornar-se extremamente úteis para as famílias. A comunicação visual é fundamental. Se alguém na sua família tem problemas auditivos, estes meios de comunicação alternativos, que promovem as conversas em grupo, podem ajudar a criar um vínculo mais inclusivo.

 

14. Faça um teste de audição online

Se o seu familiar ou amigo tem alguma resistência em assumir que sofre de perda auditiva ou a procurar tratamento, tente motivá-lo a procurar ajuda especializada. Pode, por exemplo, sugerir a realização do teste de audição na Widex. Podem fazê-lo online e em conjunto.

 

Rapidamente o seu ente querido vai perceber o quão simples é o procedimento. Pode, inclusivamente, facilitar a conversa sobre o teste online dizendo que qualquer pessoa pode fazer o teste através do computador ou por telefone.

 

15. Compreenda que, para a maioria das pessoas, o estigma dos aparelhos auditivos é real

Nem sempre é fácil ignorar a questão estética dos aparelhos auditivos. Embora muitas das pessoas que usam aparelhos auditivos tenham muito orgulho deles, outras ficam menos entusiasmadas com a ideia.


O facto de os fazerem sentir mais envelhecidos pode criar alguma resistência no momento de procurar tratamento especializado. De qualquer forma, saiba que os aparelhos auditivos da Widex são muito discretos e elegantes. O seu ente querido terá menos essa preocupação a afetar o seu já muito complexo dia-a-dia.

16. Procure grupos de apoio à perda auditiva quer na sua comunidade, quer online

Tanto em comunidades locais, como, por exemplo, nas redes sociais, existem grupos que ajudam outras pessoas a aprender a aceitar e a conviver com a perda auditiva. Se o seu ente querido está com sentimentos de isolamento social ou de depressão relacionados com a perda auditiva, esses grupos podem ser uma ajuda muito útil.

É muito importante que a pessoa com perda auditiva saiba que não está sozinha e que podem partilhar a sua experiência com outras pessoas com a mesma condição clínica.

 

17. Tenha uma conversa honesta sobre a perda auditiva

Por vezes, basta um toque na direção certa; mostre-lhes que se preocupa. Se os problemas auditivos estão a criar desafios de comunicação dentro da relação, não a deixe crescer passivamente para um problema maior antes de o abordar.

Muitos parceiros de pessoas com problemas auditivos evitam possíveis confrontos e continuam a permitir que seus entes queridos evitem o tratamento. Uma perda auditiva não tratada evoluirá para problemas de saúde mais significativos no futuro.

 

18. Sugira uma visita ao audiologista e aproveite para fazer também um teste de audição

Sabia que só um audiologista pode avaliar o grau de perda auditiva? Seja uma força motivadora na vida de um amigo ou familiar com perda auditiva não tratada e recomende uma visita à Widex para ser avaliado por um dos nossos audiologistas. A primeira consulta é totalmente gratuita.

Os nossos especialistas recomendam que a pessoa com problemas auditivos venha a uma consulta sempre acompanhada por um familiar ou amigo. É uma forma de se sentirem menos ansiosos e mais confortáveis com a situação.

 

Pode marcar a sua consulta online, de forma rápida e muito cómoda. Um pequeno gesto que pode transformar a vida do seu ente querido e promover a sua qualidade de vida.